Welcome to CDC Stacks | Vírus zika se espalha para novas áreas — Região das Américas, maio de 2015—janeiro de 2016 - 37925 | Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR)
Stacks Logo
Advanced Search
Select up to three search categories and corresponding keywords using the fields to the right. Refer to the Help section for more detailed instructions.
 
 
Help
Clear All Simple Search
Advanced Search
Vírus zika se espalha para novas áreas — Região das Américas, maio de 2015—janeiro de 2016
  • Published Date:
    January 29, 2016
  • Language:
    Portuguese
Filetype[PDF - 2.39 MB]


Details:
  • Corporate Authors:
    National Center for Immunization and Respiratory Diseases (U.S.). Division of Viral Diseases. ; National Center for Emerging and Zoonotic Infectious Diseases (U.S.). Division of Foodborne, Waterborne, and Environmental Diseases. ;
  • Series:
    MMWR. Morbidity and mortality weekly report ; v. 62, no. 3, p. 1-4
  • Document Type:
  • Description:
    Portuguese version of: Hennessey M, Fischer M, Staples JE. Zika Virus Spreads to New Areas — Region of the Americas, May 2015–January 2016. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2016;65(3):55-58.

    O vírus zika é um flavivírus que foi identificado pela primeira vez na Uganda, em 1947 (1). Antes de 2007, apenas casos esporádicos da doença em seres humanos haviam sido identificados na África e Ásia. Nesse ano, o primeiro surto documentado da doença causada pelo vírus zika foi relatado no estado de Yap, nos Estados Federados da Micronésia. Estima-se que 73% da população com até 3 anos foi infectada (2). Outros surtos foram identificados posteriormente no sudeste da Ásia e no Pacífico Oeste (3). Em maio de 2015, a Organização Mundial de Saúde registrou a primeira transmissão local do vírus zika na Região das Américas (Américas), com casos autóctones identificados no Brasil (4). Em dezembro, o Ministério da Saúde estimou a ocorrência de 440.000 a 1.300.000 casos de suspeita da doença causada pelo vírus zika no Brasil em 2015 (5). Em 20 de janeiro de 2016, casos de transmissão local foram registrados na Organização Pan-Americana de Saúde de Porto Rico e em 19 outros países ou territórios nas Américas* (Figura) (6). A propagação da doença a outros países na região está sendo cuidadosamente monitorada.

    Apesar de não haver confirmação de transmissão local do vírus zika nos Estados Unidos continental, foram registradas infecções pelo vírus zika em viajantes que retornaram ao país (7). Em face dos recentes surtos nas Américas, estima-se que o número de casos da doença causada pelo vírus zika entre visitantes nos Estados Unidos ou viajantes retornando ao país irá aumentar. Esses casos importados podem causar a transmissão local humano-mosquito-humano do vírus em determinadas áreas dos Estados Unidos continental onde os mosquitos vetores necessários estão presentes.

    O vírus zika é transmitido sobretudo pelos mosquitos aedes aegypti (1,7). Os mosquitos aedes albopictus também podem transmitir o vírus. Os mosquitos aedes aegypti e ae. albopictus podem ser encontrados em grande parte das Américas, inclusive partes dos Estados Unidos, e também transmitem os vírus da dengue e chikungunya. Além da transmissão mosquito-humano, as infecções causadas pelo vírus zika foram documentadas por meio de transmissão intrauterina resultante de infecção congênita, transmissão intraparto da mãe virêmica para o recém-nascido, transmissão sexual, transfusão de sangue e exposição laboratorial (5). Há uma preocupação teórica de que a transmissão poderia ocorrer por meio de transplante de órgão ou tecido e, apesar do RNA do vírus zika ter sido detectado em leite materno, não se registrou transmissão por aleitamento materno (5).

    mm6503e1_Portuguese.pdf

  • Supporting Files:
    No Additional Files